Domingo, 31 de Julho de 2011

Summer Camp - Capítulo #2

 

Summer Camp

Capítulo 2

 

Ao mesmo tempo, recebemos uma mensagem, a dizer para irmos à primeira gaveta das cómodas, procurar um mapa do Campo, e irmos ter ao Auditório. Quando lá chegamos tinha já umas trinta pessoas. Escolhemos um lugar e aguardamos.

Aos poucos e poucos, começaram a chegar mais algumas pessoas. Não prestei muita atenção a quem chegava ou deixava de chegar… Estava mais interessada no que estaria por de trás daquelas altas cortinas vermelhas naquele palco. Ah, e claro, na rapariga à minha frente que parecia ter uma séria obsessão pelo seu cabelo… Estava constantemente a mexer nele…Às dez e quarenta e dois, todos os lugares estavam cheios. Por detrás das cortinas, apareceu uma senhora, com cerca de vinte e poucos anos, com um sorriso de orelha a orelha estampado na cara. Acenou, e apresentou-se. Seu nome, Mafalda. Era a coordenadora de actividades. Esteve a falar um pouco sobre o que iríamos fazer naquele Verão. Desportos, Exercício, Jogos, e com certeza, muita, muita diversão. E que em cada dia íamos ter duas horas ou talvez mais, para fazermos o que “quiséssemos”. Mas só dentro do campo, obviamente… Enfim… Nunca pensei… Um Verão inteiro longe da minha família, amigos… Ia ser tão diferente… Nem sabia se para bem, se para mal… Mas não era exactamente a melhor altura para pensar nisso. Continuei a ouvir. Também havia o Jorge, ajudante da Mafalda. Estivemos a ver alguns vídeos e fotografias de anos anteriores. Parecia realmente divertido. Já perto da uma da tarde, mandaram-nos procurar nos mapas a cantina, para irmos almoçar. Quando chegamos, ficamos chocadas, imóveis, como a grande maioria das pessoas. Aquilo era simplesmente e-nor-me (também, era o que se esperava, para 100 jovens…). Escolhemos uma mesa (cada uma, dois lugares) e já estava tudo preparado. As cozinheiras explicaram que estava tudo preparado, por ser o primeiro dia, mas que a partir daí, iríamos ser nós a ir buscar a comida aos “balcões”. Estava barulho. Ouvia-se garfos e facas a bater nos pratos. Copos a serem pousados nas mesas. E acima de tudo, pessoas, muitas pessoas a falar. A rir. Era um pouco… chato. Para conseguir falar com a Gabriela, quase que tinha de gritar. E ela estava mesmo ao meu lado…Depois de almoço, (quando finalmente estávamos em silêncio) disseram-nos que podíamos ir dar uma volta pelo campo e se nos perdêssemos, (o que era bastante provável, visto aquilo ser incrivelmente gigantesco) era só marcar o número 1, no telemóvel do Campo e ia directo a uma central qualquer de lá. Já devia estar na marcação rápida. EU estava cansada, não me apetecia ir passear. Só queria re-la-xar. Fui para o quarto, e a Gabi veio comigo. Eu estava sentada na minha cama, quando subitamente me lembrei!

 

- Eii…as malas… - disse eu, com ar de cansada

- Qu’é que tem?

- Não as desfiz… ainda… - peguei na almofada e pu-la na minha cara e dei um grito quase insonoro.

- Nem tu, nem ninguém.

- Então vou desfazer. Quanto mais cedo, melhor.

- Ok, eu ajudo-te, e depois ajudas-me tu a mim, ok?

- Sim, claro.

 

Para desfazer as malas de nós as duas, demoramos quase uma hora. Já eram 15:07 quando acabamos. Sentei-me num puff que lá tinha, a ver o mapa. Reparei num rectângulo azul, grandinho, na altura não reparei bem no que era, mas fui à “legenda” e dizia “Piscina”. Delirei. Eu a pensar que ia ser um Verão sem praia… E até vai, mas na piscina tinha areia artificial. Não se esquecem de nada. “Este Verão vai ser perfeito” suspirei.

Decidi ir até lá fora. A Gabriela não quis. Fui sozinha. Só tinha por volta de 15 pessoas, se tanto. Havia um grande pátio, mesmo à saída das cabanas com alguns bancos de jardim. Virei-me de costas para o pátio e comecei a andar para trás. Má ideia… Bati contra alguém.

 

- Oh Meu Deus! – Virei-me para a pessoa – peço imensa desculpa, eu… - fui interrompida

- Não faz mal – Olhou para mim

 

Naquele momento, ainda não tinha olhado bem para a cara do rapaz. Acho que devia ser por vergonha. Era um pouco mais alto que eu. Quando finalmente decidi olha-lo, reparei que este já estava a olhar para mim. Sem querer olhei os seus olhos. Eram de um verde claro… deveras lindos. Sim, lindos era o termo correcto. Devia ter muitas raparigas “atrás” dele. Não que isso me importa-se, mas aqueles olhos deveriam atrair qualquer uma. Quando deixei que falar mentalmente dos seus olhos, reparei no silêncio estranho que havia entre nós. Por acaso… Não queria sair dali. Mas, por outro lado, perguntei-me inúmeras vezes o que estaria ele a pensar, para estar com o olhar fixo no meu, sem se mexer… Decidi “quebrar o gelo”.

 

- Eu… ah…Tenho que ir. Vemo-nos por aí. – dei meia volta e comecei a encaminhar-me até à cabine das Raparigas. Ainda ouvi um “conto com isso” mas fingi que não.

 

Quando entrei no quarto encostei-me à porta repetindo “Meu Deus, Meu Deus, Meu Deus…”. Levantei a cabeça, e vi a Gabriela deitada na sua cama, com uma revista com um olhar estranho em mim.

 

- Que foi? – perguntei, fingindo que não sabia o porquê daquele olhar – nunca viste?

Ela riu-se – Coitado de Deus, deve estar chateado contigo, de andares aí a “gastar” o seu nome. – voltou a rir-se

Eu mordi o meu lábio inferior, e dirigi-me até à minha cama. Após me sentar, pus as mãos na cara, a taparem-me o rosto por completo. – Isto só a mim… - murmurei

Ela atirou a revista para o meio do chão e correu até mim. Atirou-se para a minha cama e saltou de joelhos – conta, conta, conta! – Deu um enorme sorriso, de curiosidade.

Acabei por lhe contar, o que tinha sucedido.

- Era giro?

- Muito, mesmo.

- E pediste-lhe o número, pelo menos?

- Não, achas? Estava tão envergonhada…

- De quê? Quer dizer, só ficaram a olhar um para o outro. Se fosse comigo, já estava com o contacto dele aqui – apontou para o telemóvel.

- Diz a rapariga que espera anos a fio pelo “tal”…

- Oh, não comeces com isso. Sabes bem que não sou rapariga de namorados…É um bocado… estúpido

- Nunca tiveste nenhum, como é que sabes que é estúpido?

- Olha, azar… - fez um ar de frustrada.

- Pois, pois… - ri-me

 

Está ligeiramente menor que o anterior, sim.

Mas o anterior foi "Duplo-Capítulo", por ser a estreia.

De qualquer maneira, epero que gostem ;)

Divulgação: Esta fic está mesmo no início, por isso, toca a visitar e mostrar-lhe o devido apoio, sim?

Bora lá! ;)

publicado por -Catarina' às 16:05
link | comentar | ver comentários (8) | favorito

.mais sobre mim

.posts recentes

. Summer Camp - Capítulo #2

. One Shot - Sponge Bob and...

. Summer Camp - Capítulo #1

. One Shots

. Capítulos

.arquivos

.pesquisar

 

.Visual Por: